quinta-feira, 6 de julho de 2017

A Bola Amarela. Jogamos?


Há livros de outro planeta! Neste caso, do Planeta Tangerina. Em 2014, a propósito de Daqui Ninguém Passa, escrevemos: É a história de uma revolução, mas também a revolução do próprio livro. É uma brincadeira magnífica, hilariantemente conseguida, que nos faz querer participar! 



Hoje, falamos de A Bola Amarela e continuamos a dizer que o livro se reinventa todos os dias. Com texto de Daniel Fehr e ilustrações de Bernardo Carvalho, o mais recente livro da colecção De Cantos Redondos do Planeta Tangerina é um livro-jogo que, com elevadas doses de diversão e originalidade, leva o leitor a calcorrear 37 páginas para trás e para a frente... para a frente e para trás. As crianças, e não só, deleitam-se com esta aventura! 


Um livro é um lugar. Com dentro e fora, esquerda e direita, perto e longe, princípio e fim, diz a editora a propósito desta colecção. Aqui, o lugar começa por ser um campo de ténis e a acção desencadeia-se quando Luísa e Luís decidem fazer um jogo amigável e, imaginem, a bola acaba por escapulir-se na dobra entre as páginas! 



Aos dois amigos não resta alternativa que não seja procurá-la. E os leitores? Pois, esses têm de segui-los, iniciando uma aventura que os levará a percorrer os mais diversificados e encantadores cenários. Mas não se enganem, não é fácil e a coisa exige alguma forma física. Aqui, não chega virar a página. A numeração não existe para ser seguida ordeiramente. Aqui, é preciso saltitar entre páginas, para trás e para a frente.


De pista em pista, acompanhamos os pequenos no rasto da bola. Atravessamos uma festa, onde todos conhecemos alguns dos convidados, uma savana, um campo com burros, páginas digitais que nos trazem à memória  alguns videojogos e muito mais. Tudo, pela mão de Bernardo Carvalho que, com a qualidade a que já nos habituou, se socorre do desenho e da fotografia, num registo pautado pelo humor.


Uma louca viagem com passagem pelo céu e direito a conhecer um deus muito especial! 
Ufa! Não!! Não descansem porque não podem perder de vista os petizes! E não se deixem enganar, bolas amarelas há muitas...


Livros em papel, interativos e digitais? Nem mais.
Subjacente à colecção, está o conceito de interactividade. Genialmente conseguida, os leitores mergulham literalmente no livro, esgueirando-se pelas dobras ou saltando pelas páginas até conseguirem enxergar a bola amarela. Mas, não se ficam por aí. É um desafio empolgante e irresistível, com um final/recomeço hilariante, feito na companhia dos dois pequenos protagonistas. Ela desfrutando, tal como os leitores, de cada página, ele resmungando com tudo e todos. Até com Deus! Até com os autores do livro! DEVEM ESTAR A GOZAR!!



Há planetas assim. Lugares onde os leitores participam, jogam, brincam, aventuram-se... dentro do livro! Pssst, os miúdos já estão a caminho do campo de ténis? Não?? DEVEM ESTAR A GOZAR!!

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Gaston


                                   Fifi,      Xuxu,     Oh-lá-lá,     Gaston 



São  os filhos da Srª Caniche, uma mãe vaidosa e orgulhosa dos seus doces e encantadores cachorrinhos. Quatro amores perfeitos, pelo menos, à primeira vista. Porque a um segundo olhar, a que o próprio texto convida o leitor - Vamos vê-los outra vez?-  é notório que não são todos iguais. Gaston é diferente, não se parece com os irmãos. E não são só as semelhanças físicas que não existem. 



É sobretudo nas aprendizagens que se diferenciam. Gaston é o mais esforçado, o que mais se aplica, mas também o mais trapalhão. Não perece talhado para a etiqueta e boas maneiras, que com tanta naturalidade se praticam no seio da família.



De forma hilariante e divertida, texto e imagem mostram, algumas vezes, realidades distintas. Não menos divertidas são as subtilezas com que o leitor é brindado. Que Gaston não é um caniche salta à evidência. Mas, enquanto as ilustrações atestam a diferença de raça, até meio do livro o texto nunca a assume explicitamente.
Três já eram do tamanho de chávenas de chá. O quarto, entretanto, crescia e crescia. Parecia já um autêntico... bule de chá.


É preciso esperar pela primavera e acompanhar a Srª Caniche  ao parque com os seus pequenotes para que tudo se clarifique. O encontro, no mínimo estranho, com a família Buldogue, onde Antoinette, uma pequena caniche, parece carta fora do baralho, revela o óbvio. Às mães e aos leitores. Os cachorros tinham sido trocados à nascença.


Não admira que as mães tentassem logo ali reparar o erro,  dando o seu a seu dono. Gaston voltou para casa com a sua família de sangue, os Buldogues, e Antoinette regressou com a mãe biológica, a Srª Caniche, e as irmãs. Mas o que se seguiu foi...desastroso! Antoinette não se ajustava  à vida esmerada e cor-de rosa das irmãs. Gaston, por seu lado, não apreciava as confusões e a chinfrineira que pautavam o dia a dia dos irmãos. E também não morria de amores pelo castanho!


Rapidamente, o equívoco foi desfeito e ambos os cachorros voltaram às "famílias de adopção", onde eram felizes. Continuaram a encontrar-se e a partilhar experiências. Os buldogues ensinaram os caniches a ser menos queridos e estes ensinaram os buldogues a ser menos brutos. Gaston e Antoinette cresceram... apaixonados. Casaram e ensinaram os filhos a ser o que bem quisessem.


De forma alegre e empolgante, a história mostra-nos que numa família, mais do que os laços de sangue, o importante é o amor. Gaston encanta os leitores graúdos e faz as delícias dos mais pequenos, tornando-se uma excelente companhia para férias.



Com texto de Kelly Dipucchio e ilustrações do premiado Christian Robinson, Gaston foi recentemente trazido para Portugal pela Orfeu Negro. Há cerca de dois anos, tínhamos tido a sorte de nos cruzar com ele em Berlim, na fantástica livraria Mundo Azul. Não nos separámos mais deste livro delicioso, onde palavras e imagens se casam num grafismo charmoso e irresistivelmente divertido. 

segunda-feira, 26 de junho de 2017

O Convidador de Pirilampos ou a arte de cientistar


Nas memórias  com sabor a infância guardamos as muitas noites de pirilampos vividas num tempo em que fomos meninos. Noites escuras e mágicas já partilhadas com os meninos de hoje. Quando, há uns anos, a Bruaá nos presenteou com o fantástico livro de Bruno Munari, Na noite escura, festejámos lá fora olhando as pequenas multidões de luzinhas que se passeavam no escuro, indiferentes à nossa presença.  


Foi o que voltámos a fazer quando nos chegou às mãos O Convidador de Pirilampos, com texto de  Ondjaki, ilustrações de António Jorge Gonçalves e editado pela Caminho.


Desta vez, na companhia de um pequeno rapaz e do seu avô, profundos conhecedores da Floresta Grande, onde brilham os pirilampos cintilantes. Antes de se embrenhar nela e de ser tentado a seguir no encalço das luminosas criaturas, o leitor fica logo a saber que nem todos os pirilampos têm brilho. Que existem pirilampos apagados!  E que são apagados porque não devem ser encontrados. Conhecidos como pirivelhos, são os mais sábios de todos. 


Mas, o leitor necessitará de atravessar a Floresta e toda a história para ficar a saber mais acerca destes pirivelhos e descobrir a razão porque não devem ser encontrados. Para isso, conta com a ajuda do rapaz inventor que carrega na mochila os objectos inventados. Cada um mais louco que o outro.


Um aumentador de caminhos, um unóculo e um convidador de pirilampos são alguns dos objectos utilizados para "cientistar" os seres luminosos. Os resultados, esses, acabam sempre partilhados com um avô paciente e com cheiro a laranja.


Um livro que, aqui e além, nos lembra o universo de Jimmy Liao. Histórias vividas num qualquer lugar do mundo e  povoadas de personagens sem nome que poderiam ser qualquer um de nós. Inconfundíveis, as ilustrações de António Jorge Gonçalves, vencedor do prémio Nacional de Ilustração 2013 com o livro da mesma dupla Uma Escuridão Bonita, voltam a um registo de silhuetas, sombras e jogo de luzes, com predominância de uma paleta de cores preta e azul. Ou não fosse esta mais uma história sem luz eléctrica.


Ondjakianos convictos, ficámos fãs deste pequeno inventor que, cientistando com paixão e afinco, acaba descobrindo o código da linguagem dos pirilampos. Um livro onde a poesia se passeia a cada página e onde as histórias são tantas quantos os contadores com que nos conseguirmos cruzar. Edison é, porém, o nosso contador de eleição.


Junho é o mês, por excelência, dos pirilampos. Em férias ou não, agarrem nas lanternas, nos miúdos, nos inventos, se fôr caso disso, e entrem noite dentro. Cientistem, cientistem!

sábado, 17 de junho de 2017

Clube Mediterrâneo, doze fotogramas e uma devoração


Apresentação do livro Clube Mediterrâneo - doze fotogramas e uma devoração, do escritor João Pedro Mésseder, com ilustrações de Ana Biscaia e design de Joana Monteiro. Um livro sobre refugiados, sobre o drama das vidas de quem, fugindo da guerra e de todas as adversidades, chega tantas vezes ao inferno. O livro será apresentado pela escritora Rita Taborda Duarte. 
Hoje, sábado, às 18h, marcamos encontro nos Hipopómatos na Lua, Biblioteca Municipal de Sintra.